domingo, 11 de julho de 2010

COPA DO MUNDO E PATTI SMITH

Fim de semana que a Espanha se sagrou a campeã da Copa do Mundo.. Se o Brasil do Dunga era fraquinho, fraquinho e chegou até longe demais, o mesmo não se pode dizer dos finalistas, mais criativos, competentes, equilibrados e com jogadores bem melhores do que nossa limitadíssima seleção... Confesso que gosto demais da seleção holandesa (até vesti a camisa laranja, safra 74, que ganhei do Léo por estes dias) mas a vitória da Espanha foi ótima ao futebol e para nós brasileiros que poderiamos colocar um pouco de mais talento em detrimento do futebol "coerente" e brucutu do sr Dunga...
e para comemorar o lado rock da vida ouvi bastante outra das minhas 3 cantoras estrangeiras preferidas de todos os tempos .. Patti Smith (ao lado das maravilhosas Sandy Denny e Natalie Merchant)
A poetiza do rock e que estreou em carreira fonográfica com o barbáro (e nervoso, tenso e lindo) Horses em 1975 e jamais deixou a peteca cair. Incrivel como ela gravou poucos e maravilhosos discos ... até os dias de hoje. Alias Patti Smith e futebol da Espanha, tem tudo a ver. Categoria, sensibilidade e leveza na sua arte de fazer aquilo que mais conhece !
Super relevante, ela inspirou um sem numero de artistas a partir dos anos setenta e em faixas como Because the Night, Horses, Radio Ethiopia, People Have the Power, Wave entre outros.
Complicado é dizer qual o ranking de seus albuns pois todos eles soam pesados, poetícos e intensos.
Na minha opinião os discos que mais agradam são Easter, disco mais roqueiro da cantora nova iorquina, Gone Again, o mais triste (feito em homenagem a Fred Sonic Smith, marido da cantora e ex guitarrista do grupo MC 5 morto em 1996) e Wave, mistura de poesia com punk rock em pleno 1979. Ah, Radio Ethiopia é outro petardo sonoro.. e também agrada bastante.
O ultimo de Patti foi Twelve onde ela fez 12 releituras para clássicos do rock. Bob Dylan a Nirvana, passando por nomes como Doors, Jimi Hendrix, Neil Young e Rolling Stones, o disco é uma belissima homenagem desta musa e poetisa ... ao pop rock mundial.. Belo e essencial disco.. Praticamente não existe vacilos nesta longa e consistente carreira ! Até mesmo a cover dos Tears for Fears a gente perdoa,
O que seria de Crissie Hynde, Natalie Merchant, Suzane Vega, entre outras cantoras se Patti Smith não tivesse dado os primeiros passos e se aventurasse em ser a versão feminina de Keith RIchards e invadisse o universo punk em pleno inicio dos anos 70 ?
Para quem conhece, sempre é bom revisitar ela linda obra, quem não conhece, por favor, não sabe o que está perdendo ...
Long Live a querida Ms Patti Smith ...
até a proxima

2 comentários:

Anônimo disse...

Salve Patti Smith!
Tive a honra de ve-la no Ctba Tim Festival de 2006, na Pedreira!

Poxa, valeu pela dica da banda `The National`, o álbum `High Violet' é muito bom! E qual o nome completo daquela outra banda 'Mother...'? Achei o som deles animal!

Feliz dia do Rock pra você e lembranças ao Vicente!

Larissa

Wagner disse...

Hello Teacher

e bacana que gostou... Ela é diva (como diz minha filha,rs)

e National é otimo sim, todos albuns,

Mother ?? seria Modern Lovers ? se for esta, o primeiro é clássico, tipo REAL POP,

kisses
Wagner